31 de março de 2010

bifum com shitake e tofu

Faz tempo que não posto uma receitinha...
Pra matar as saudades, aí vai uma super simples - acabei de preparar em exatos 30 minutos.

os ingredientes básicos são o macarrão, o shitake e o tofu. os legumes são uma sugestão, quem quiser trocar ou adicionar outros, go ahead!

Ingredientes
250g de bifum (macarrão oriental de arroz)
6 colheres de sopa de shoyo
2 colher de sopa de molho de ostra
2 colher de chá de acúcar mascavo
1 colher de sopa de óleo de gergelim
2 pimentas malaguetas picadas
1 tofú cortado em cubos
1 pedaço de gengibre ralado (+ ou - 5cm, mas for louco por gengibre como eu, pode botar mais!)
2 dentes de alho amassados (mais uma vez, quem gostar mt pode exagerar - eu usei uns 4!)
150g de shitake fatiado
6 talos de cebolinha picados
1 cebola pequena picada
1/2 cenoura picada
1 beringela cortada em cubinhos
1 abobrinha em rodelas



*a abobrinha e a beringela funcionam melhor se preparadas antes. em uma frigideira, refogue no azeite com cebola e alho até murcharem.

Preparo:
- Ferva 1.5 litros de água. Ao levantar fervura, desligue o fogo e cozinhe o macarrão por apenas 1 minuto. Escorra
- Junte em uma vasilha o shoyo, o molho de ostra e o açúcar mascavo
- Aqueça o óleo em uma frigideira grande (quem tiver um wok, melhor ainda)
- Refogue a cebola, alho, cenoura, beringela, abobrinha, gengibre e as pimentas (adicione sal a gosto)
- Junte o macarrão, o shitake, os molhos (se vc achar que ficou seco, pode adicionar mais molho) e a cebolinha
*sugestão de última hora: um pouquinho de amendoim sem casca ou castanha cai mt bem
- Misture tudo e sirva imediatamente

enjoy ;)

29 de março de 2010

plastic bag

Com narração de Werner Herzog e trilha do tecladista do Sigur Rós, o curta abaixo critica o uso de sacos plásticos de forma delicada e inteligente.

Ao ser descartado pela dona, um saco se depara com a solidão decorrente da sua imortalidade. O premiado diretor Ramin Bahrani consegue, de forma sutil, alertar para os principais problemas envolvendo o uso desse material.

27 de março de 2010

arte de juguete

Ainda sob influência do penúltimo post, mais arte (no caso, toy art) chicana!

Tamborix

Tixiniza

Panxi

Os bonequinhos são da mexicana Tixinda, marca/coletivo de design cujas criações misturam elementos da cultura pré hispânica com arte urbana. Todos os toys têm nome, história e, como bons descendentes maias que são, alguma propriedade mística (os da série Blando, por exemplo, tomam banho de lua em Teotihuacan antes de serem vendidos). Além de toys eles também fazem roupas, acessórios e ilustrações.

















                   

O estilo original da Tixinda vem conquistando fãs no mundo todo e rendeu, inclusive, uma uma parceria de peso - a inauguração da flagship store da Nike na Cidade do Mexico contou com pôsteres exclusivos e peças de roupa customizadas pelo coletivo (a ação contou com outros 7 artistas hypados - destaque para o ídolo Joe Ledbetter).





25 de março de 2010

baralho dos deuses

Na União Soviética, entre os ítens controlados e fornecidos exclusivamente pelo estado, estavam coisas triviais como, por exemplo, um baralho. Por não ter uma economia de mercado, que preza pela diversidade e concorrência, os modelos de cartas disponíveis na Russia não eram muitos.

Pois uma das opções era esse deck lindo de morrer todo decorado com motivos Maias.



Pode parecer aleatório, mas existe uma explicação para o interesse soviético por essa cultura tão distante: em 1952 o linguista russo Yuri Knorozov  publicou o artigo "Ancient Writing of Central America", tornando-o o principal responsável pela decodificação da complexa escrita maia. Pra quem se interessar mais pelo assunto, uma dica é o doc Cracking the Maya Code.

Yuri Valentinovich Knorozov

Mas voltando ao baralho, as ilustrações escolhidas fazem referência a peças reais de arte maia. No caso desse rei de copas por exemplo, é óbvia a semelhança com Lady Xoc, uma das figuras femininas mais poderosas dessa civilização (o detalhe abaixo é uma parte do Yaxchilan Lintel 24)






23 de março de 2010

uma imagem vale mais que mil palavras?

E quando a palavra É a imagem? Os cartazes abaixo são ótimos exemplos de como usar a tipografia de maneira criativa e impactante.







22 de março de 2010

water world

"There is enough water for humand need, but not for human greed".

A frase de Ghandi, presente no excelente documentário Tapped, resume bem a situação da água no mundo. O filme aborda a questão da água em garrafa e como essa indústria, além de obter lucro em cima de um bem público, é responsável por grande parte da poluição dos rios e oceanos (olha a sopa plástica aí de novo!).



Depois de assistir ao filme reforcei ainda mais a minha política de evitar ao máximo consumir água em garrafas plásticas (faço um esforço enorme pra lembrar de carregar minha garrafinha de alumínio pra cima e pra baixo). Quem quiser botar a idéia em prática pode aderir à campanha Get Off the Bottle.
 

No dia mundial da água, o planeta volta as atenções para um dos temas mais importantes e alarmantes da atualidade. Chamada de "petróleo do século 21", a água está se tornando um bem cada vez mais raro e valioso.

Segundo a UNEP (sigla em inglês para o Programa Ambiental das Nações Unidas) a falta de água limpa mata 1,8 milhão de crianças anualmente. Essa e outras estatísticas assustadoras fazem parte do relatório "Sick Water". Mais infos aqui


O aumento populacional desordenado, a crescente urbanização, a proliferação de lixo e as mudanças climáticas são alguns dos fatores que estão contribuindo para esse cenário sombrio. Enquanto isso, muitos se recusam a repensar seus hábitos abusivos e parecem incapazes de entender que sobrevivência da raça humana depende da saúde do planeta, e não o contrário.


Aproveitando o tema e a data, que tal fazer a sua parte revendo alguns hábitos do dia a dia? A WWF Brasil criou um livro digital muito interessante com informações importantes sobre a água no país, além de dicas de ações individuais que fazem toda a diferença. Quem precisar de ajuda para navegar na versão online ou quiser baixar o PDF, é só clicar aqui.

Pra finalizar, a National Geographic lançou uma edição especial sobre o tema. Da pra fazer o download grátis aqui (só até dia 02 de Abril)

16 de março de 2010

definitely cutesy!

Eu que adoro um bichinho esquisito, me apaixonei pelos monstrinhos da americana Diane Koss por dois motivos: eles são fofos demais e, melhor de tudo, totalmente eco friendly!


O feltro usado na fabricação dos bonecos é feito inteiramente de garrafas de plástico recicladas.


O mais legal é que todos tem um nome, história e personalidade diferentes. Aqui da pra conhecer melhor cada um deles



Apaixonada pelos seus filhotes, a artista diz que sempre quis que eles ganhassem vida, por isso se juntou com o animador David R Popolow e criou o stop-motion Monster Compilation.



Além dos personagens fixos, ela também tem algumas edições limitadas para ocasiões especiais, como esses aí embaixo (criados em homenagem às olimpiadas de inverno e em prol do combate ao cancer de mama, respectivamente)


 Gostou? da pra comprar aqui